Marco Zero Conteúdo participa de intercâmbio latino-americano sobre jornalismo e direitos humanos

0

Um grupo de comunicadores de veículos independentes brasileiros participa, entre segunda (13) e sábado (18), de formação e debates sobre jornalismo e direitos humanos em San Salvador, capital de El Salvador. O projeto Intercâmbios Latinos – Jornalismo e Direitos Humanos é uma iniciativa construída pelo Coletivo Papo Reto, do Rio de Janeiro, e pelo projeto Aurora Notícias sobre Direitos Humanos na América Latina, e tem como objetivo criar espaços de encontro, de redes e de formação de comunicadores, coletivos e veículos alternativos latino-americanos que tenham como pauta a defesa dos direitos humanos.

O grupo de comunicadores participará do 9º ForoCap – o Foro Centroamericano de Periodismo -, evento promovido pelo jornal digital El Faro, veículo independente com base em San Salvador, capital de El Salvador. O El Faro é a primeira experiência de veículo de jornalismo nativo da internet e um dos principais veículos de jornalismo investigativo na América Central. A jornalista Débora Britto, repórter da Marco Zero Conteúdo e integrante do Terral Coletivo de Comunicação Popular, participa desta edição. Também estão em San Salvador comunicadores do Favela em Pauta (RJ), Nós Mulheres da Preriferia (SP), Alma Preta (SP), Agência Énois (SP), Coletivo Nigéria (CE) e Justiça Global (RJ).

O projeto Intercâmbios Latinos – Jornalismo e Direitos Humanos viabiliza a ida de jornalistas – principalmente de veículos independentes, comunitários e periféricos – para eventos na América Latina para os quais o acesso ainda é restrito. A segunda edição do projeto tem como temática prioritária o debate sobre “criminalização das lutas por direitos humanos e atual situação de defensores e defensoras na América Central”.

Para Artur Romeu, idealizador da Aurora e do projeto, vem crescendo o reconhecimento e a valorização de comunicadores nas periferias das grandes cidades e fora dos grandes meios de comunicação, mas os desafios ainda passam por financiamentos que garantam, também, a chance de estar em espaços como o ForoCap.

“Ao cruzar ferramentas, práticas e linguagens do jornalismo, da cultura popular e do ativismo em defesa dos direitos humanos, os comunicadores e comunicadoras se tornaram pontos de referência importante para o acompanhamento e denúncia de casos de violações por parte do Estado”, explica.

A primeira edição do projeto levou um grupo de comunicadores de diferentes meios de comunicação de favelas e periferias do Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte para o Festival Internacional Gabriel García Márquez, em Medellín, na Colômbia. Considerado um dos mais importantes encontros de jornalismo na América Latina, o evento é organizado pela Fundação Nuevo Periodismo Iberoamericano (FNPI).

“A oportunidade de realizar encontros com diversas experiências de comunicação de coletivos de educação popular e mídias alternativas em Medellín ampliou a noção de solidariedade internacional e de reconhecimento de uma agenda de luta das periferias globais; não no que se refere aos ‘países periféricos’, mas sim da produção de sentido e de resistência política a partir das periferias. Essas questões passam a ser incorporadas naturalmente nos olhares, discursos e comunicação dos participantes do projeto e indiretamente pelos coletivos e organizações que o integram”, conta.

imagem ok

Edição de 2018 levou comunicadores brasileiros para a Colômbia

“O Intercâmbios Latinos tem como estratégia central a promoção de espaços de encontro, de construção de redes e de formação para coletivos de comunicação e mídias latino-americanas pautadas pela defesa dos direitos humanos, e busca fortalecer a construção de um horizonte midiático plural e diverso na região. O projeto parte da premissa de que a aproximação entre diferentes experiências latino-americanas é fundamental para dar maior visibilidade às diversas iniciativas existentes e identificar soluções para os desafios comuns enfrentados à nível regional”, conta Artur.

Além de participar do 9º ForoCap, o grupo também conhecerá redações locais, organizações não governamentais e grupos que trabalham no âmbito dos direitos humanos em San Salvador. A ideia é estimular parcerias entre coletivos, trocas e coberturas dos dias e atividades em terras salvadorenhas. Esse ano o Intercâmbios tem a parceria da ONG Justiça Global, que atua há anos com o tema da proteção a defensores e defensoras de direitos humanos. A proposta, de acordo com Artur, é aprofundar reflexões sobre essa questão com os nove comunicadores que participam do projeto, que nesta edição vêm de coletivos e meios de comunicação de São Paulo, Rio de Janeiro, Recife e Fortaleza.

Compartilhe:

Sobre o autor

Débora Britto trabalhou como jornalista no Centro de Cultura Luiz Freire - organização não governamental de defesa dos direitos humanos - é integrante do Terral Coletivo de Comunicação Popular, grupo que atua na defesa do direito à comunicação como fundamento para a garantia de outros direitos. Também tem passagem como jornalista pelo Centro de Desenvolvimento Agroecológico Sabiá, entidade voltada para ações de fortalecimento da agricultura familiar agroecológica.

Deixe um comentário