ZapMulher“Nos últimos três anos, houve o aumento de 32% nos homicídios no Recife”, Priscila Krause (DEM), no programa eleitoral de 19 de setembro.

Embora seja uma atribuição constitucional do Governo do Estado, a segurança pública entrou de vez no debate eleitoral pela Prefeitura do Recife. Candidatos como Carlos Augusto (PV) e Daniel Coelho (PSDB) têm defendido inclusive armar a Guarda Municipal para combater o crime na capital pernambucana. No início desta semana foi a vez da candidata do DEM, Priscila Krause, sair também em defesa de um maior protagonismo municipal no enfrentamento da violência na cidade. Em seu programa eleitoral de TV ela chamou a atenção para o aumento de 32% no número de homicídios no Recife.

O projeto Truco Eleições 2016 – da Agência Pública em parceria com a Marco Zero Conteúdo em Recife – procurou a assessoria da candidata para saber qual a base de dados utilizada pela campanha. De acordo com a assessoria, a candidata comparou o número de homicídios ocorridos entre janeiro e julho de 2013 (primeiro ano da gestão Geraldo Julio) com o mesmo período de 2016, segundo levantamento realizado pela Secretaria de Defesa Social do Governo do Estado e divulgado por meio do Boletim Mensal da Conjuntura Criminal em Pernambuco. O Truco checou os dados e confirmou a informação de Priscila, por isso ela recebe a carta “Zap”.

Entre janeiro e julho de 2013, foram registrados 279 homicídios na capital para 368 no mesmo período de 2016. Um aumento de 31,89%. Contabilizando os primeiros sete meses de 2013 houve 17,78 assassinatos para cada 100 mil habitantes no Recife. O índice cresceu para 22,92 para cada 100 mil três anos depois.

tabelacvlipriscila

É importante destacar que nos primeiros sete meses da gestão do atual prefeito Geraldo Julio houve uma queda expressiva no número de homicídios no Recife em comparação com o mesmo período do último ano da gestão do petista João da Costa (PT). Em 2012 foram registrados 362 crimes letais contra os 279 de 2013, uma redução de 23%. Mas a partir de 2014 os homicídios voltam a subir e ultrapassam o patamar de 2012 em números absolutos contabilizados em 2016, confirmando a declaração de Priscila Krause.