Um novo vetor para a esquerda?

1

O sociólogo Francisco de Oliveira já escreveu que a formação da sociedade brasileira é um processo complexo de violência, proibição da fala, mais recentemente privatização do público. Em resumo, de anulação da política, do dissenso, do desentendimento. O mesmo Francisco de Oliveira escreveu que todo o esforço de democratização, de criação de uma esfera pública, de fazer política, enfim, no Brasil, decorreu, quase por inteiro, da ação das classes dominadas. Algumas das respostas dadas por Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), nessa entrevista, apontam para esse diagnóstico.

Boulos esteve no Recife no último final de semana para uma aula pública no Cais José Estelita. Apontado como um dos líderes emergentes da esquerda brasileira, Boulos é um filósofo com uma noção clara da agenda que as forças progressistas precisam trilhar no atual momento no país. Boa parte dessa proposta política de esquerda que o filósofo defende é uma reação ao legado petista, que segundo ele desmobilizou politicamente a sociedade brasileira.

Aquilo que Boulos chama de ‘política de consenso’ tem um rebatimento considerável sobre as cidades e a qualidade de vida da classe trabalhadora nas grandes aglomerações das regiões metropolitanas do país. No seu mais recente livro, ‘De que lado você está? Reflexões sobre a conjuntura política e urbana no Brasil’, Boulos escreve que as “metrópoles brasileiras tornaram-se, nos últimos anos, verdadeiras máquinas de produção de novos sem-teto. Mesmo com o Minha Casa Minha Vida, o maior programa de habitação popular da história do país, o déficit habitacional aumentou, por conta explosão no valor do aluguel”.

E é nesse sentido que defende uma nova lei do inquilinato que contribua com o fim do processo de exclusão social. Nessa entrevista, o líder do MTST traça uma análise do legado político dos anos do governo petista, os reflexos sobre a dinâmica urbana, reflete sobre as tarefas históricas da esquerda brasileira, analisa os limites e potencialidades da política feita nas ruas.

Marco Zero – No seu mais novo livro, você expressa a preocupação com um momento de conflagração, muito intenso, pelo qual passamos. No que esse momento difere em relação a outras crises do capital, nas quais também se verificaram momentos de conflagração?
Guilherme Boulos
– O que está em jogo hoje é não somente uma crise econômica, mas a crise de uma estratégia política, de um modelo que foi adotado para o país, que foi o modelo construído pelo PT – e que consistia em fazer programas sociais sem mexer em nenhum privilégio da estrutura da sociedade brasileira. Esse modelo buscou construir, e de fato teve um sucesso por alguns anos, um pacto social, um consenso social que permitiu sustentar esse modelo por quatro eleições presidenciais seguidas. Essa estratégia saiu vitoriosa por alguns anos. Esse consenso estava baseado na ideia de que todos poderiam ganhar em um modelo de desenvolvimento, vamos dizer assim, inclusivo, pra ao país.

Marco Zero – Um modelo ganha-ganha.
Boulos
– Onde os pobres poderiam ter mais acesso ao consumo pelo crédito, programas sociais, mais investimentos públicos, mais empregos e os ricos, particularmente alguns do setor financeiro, do setor da construção civil, do agronegócio, mineração, teriam ganhos extraordinários. Mais até do que em períodos anteriores. Esse processo esteve baseado numa conjuntura econômica de grande valorização das commodities, uma conjuntura econômica internacional que permitiu uma média de crescimento anual de 4% da economia, durante os anos de governo Lula. Esse é um percentual expressivo para a história da economia brasileira. A crise de 2008 solapou as bases dessa estratégia política. A conflagração específica que vivemos expõe o dilema de como encontrar saídas para essa crise. As disputas que temos hoje na sociedade brasileira colocam em xeque se a saída para o esgarçamento do PT será pela esquerda ou pela direita.

Marco Zero – O modelo de consenso esteve dependente de uma conjuntura econômica específica, mas ainda em 2009 foram colocados em prática uma série de medidas anti-cíclicas. Entre elas o Programa Minha Casa, Minha Vida.
Boulos
– Sim, a conjuntura política começa a se reverter efetivamente a partir de 2010, ano em que a economia brasileira teve um crescimento expressivo, recuperando a perda que teve em 2009. Mas partir de 2011 nós passamos a ter um nível de crescimento menor no país. De qualquer forma, o período em que o manejo orçamentário permitia a realização de programas sociais havia passado porque nós deixamos de ter crescimento econômico. O crescimento médio do primeiro governo Dilma foi de 2.1%. Além de uma crise econômica, a estratégia política baseada na bonança econômica começara a fazer água, começara a se desgastar.

Marco Zero- As jornadas de Junho de 2013 expuseram isso de forma mais evidente…
Boulos
- 2013 foi quando a panela destampou. Se nós olharmos a curva de aprovação do governo Dilma, é impressionante. Há uma queda bruta a partir de junho de 2013 que nunca mais foi recuperada. E aí você passa a ter seguidas quedas por conta das políticas de arrocho aplicados, mas é nesse sentido que eu acho que essa crise é diferencial. Não é somente uma crise econômica, ela termina por produzir o desgaste de um modelo de consenso, conciliação, de governabilidade que foi aplicado pelo PT. É esse o cenário de a presidenta Dilma herdou.

Marco Zero – Mas a definição se a saída será à esquerda ou à direita parece estar colocada de forma muito desigual.
Boulos
– Claro! A questão é que quem tem se aproveitado crise do petismo e canalizar a insatisfação social decorrente dessa crise é fundamentalmente a Direita, são os setores mais conservadores da sociedade.

Marco Zero – Em que medida essa política de consensão aplicado pelo PT confirma a nossa tradição de negação da política?
Boulos
– Na medida em que ela nega o conflito. O conflito é um elemento essencial da política. O conflito é um elemento inelutável para uma sociedade estruturalmente tão desigual quanto a brasileira. Não há posssibildiade de se lidar com os problemas essenciais da sociedade sem conflito. Achar que vai fazer reforma agrária com a Kátia Abreu, não vai. Pensar que vai fazer reforma urbana junto com a Odebrecht e as grandes construtoras, nem vai. Fazer reforma do sistema financeiro com o apoio da Febraban, você não vai! Precisa do conflito para enfrentar esses temas, não se faz isso sem conflito. A política do consenso é precisamente a expressão desa negação.

Marco ZeroQuais as consequências disso?
Boulos – Quando você cria a ideia de que as pessoas tenham sua ascenção social sem luta, sem conflito, sem enfrentamento, você semea o ovo da serprente da meritocracia. Você fortalece a ideia de que as pessaos alcançam a direitos sociais individualmente, por seu próprio mérito. Mas além disso, a tentativa de costurar acordos gerais entre quem tem interesses opostos na sociedade despolitizou a sociedade brasileira. Você esvazia a ação coletiva. Você desmobiliza a sociedade. Não é à toa que a maioria dos prounistas votaram no Aécio Neves. Não é à toa que hoje nós vivemos numa sanha de pensamento consumista, meritocrático, individualista: não houve a disputa política necessária. E a politização se dá com a expressão do conflito. Se você joga o conflto para debaixo do tapete e diz ‘Olha, a situação é igual para todos’, o que você vai produzir é necessariamente o fortalecimento do pensamento do direita. E então entramos nesse paradoxo. Depois de um governo de 12 anos, apesar das conquistas pontuais que tenha produzido, levou ao maior fortalecimento da direita no último período.

Marco ZeroComo esse modelo de consenso se manifesta na dinâmica urbana?
Boulos – Pra responder isso a gente precisa desmistificar uma ideia, que se tornou muito comum, e que afeta toda uma esquerda internacionalmente, que é a ideia de que crescimento econômico é um bem em si. De que crescimento econômico produz automaticamente inclusão social. Isso está longe de ser verdade. Crescimento econômico na maior parte do mundo produz agravamento das questões sosicia. O período de maior crescimento econômico que nós tivemos foi o período do Milagre Econômico na Ditatura Militar, que não por acaso foi uma política de concentração de renda no país. O livro do Thomas Piketty trata precisamente disso, de como durante todo um século, o crescimento econômico capitalista também foi um fator de concentração. Porque você pode ter ganhos absolutos com perdas relativas. Há ganhos dos trabalhadores, mas há um aumento de concentração da riqueza nesse processo. O crescimento não é um fator de equilíbrio social, necessariamente. Ele pode ser.

Marco Zero Em que condições?
Boulos – Quando existem políticas para isso, regulações sociais que direcionem o sistema para interesses distributivos. Se você tiver, por exemplo, um sistema tributário, um sitema de dívida pública que favoreça essa possibilidade – esses dois sistemas no Brasil são altamente concentradores. Se você tiver essas estruturas políticas você pode fazer do crescimento um fator distributivo, mas normalmente não é assim. Sem falar no fator ambientalmente perverso que o crescimento econômico gera, passando por cima do que quer seja.

Marco ZeroDito isso…
Boulos – Dito isso, as cidades brasileiras formam o palco mais expressivo desse modelo de crescimento adotado no País, nos últimos 12 anos. Porque houve muitos investimentos, o crédito público foi lá para cima, principalmente o crédito para a construção imobiliária. Os dados são impressionantes, o crédito de 2005 a 2014 para construção e aquisição de imóveis era de R$ 4 bilhões e pouco. Em 2014 subiu para R$ 114 bilhões. São 2 mil por cento em 10 anos do crédito imobiliário do país. Achar que você vai estabelecer esse rumo, investir tanto dinheiro nas cidades para o mercado público, sem regulações públicas e sem efeitos colaterais, me desculpe, não dá. E são duríssimos esses efeitos porque você dá dinheiro para o mercado, e o mercado, vai, sem nenhum tipo de planejamento, comprando prefeituras, passando por cima de qualquer legislação restritiva que possa existir, o mercado vai fazendo seus investimentos e vai remodelando a cidade, mas remodelando a cidade de acordo com seu interesse de rentabilidade, e não pensando nas populações que estão ali.

Marco ZeroMoldando uma situação de instabilidade social…
Boulos – As cidades brasileiras se tornaram nos últimos anos verdadeiros barris de pólvora. Não é à toa que as principais mobilizações dos últimos anos eclodem em torno que temas urbanos, transporte, moradia, ou aqui o Estelita, um tema eminentemente ligado à questão da especulação imobiliária. Também não é à toa que a votação no PT nas grandes cidades foi desastrosa. Foi onde mais cresceu a oposição de direita, nas grandes cidades.

Marco ZeroNo seu livro você afirma que ‘num passe de mágica, a terra converteu-se em ouro’, referindo-se ao aumento do preço do metro quadrado em São Paulo (aumento de 220% entre 2008 e 2015) e Rio de Janeiro (265% de aumento no mesmo período).
Boulos – São efeitos de como o capital vai colonizando o tecido urbano. Você tem uma série de empreendimentos em uma certa região da cidade com recursos públicos ou privados, que implicam uma intervenção fortíssima sobre o valor da terra, sobre o custo de vida naquela região e com isso você expulsa populações inteiras. O aumento do aluguel é um mecanismo fundamental desse processo de exclusão social. Aliás, nós do MTST defendemos nova lei do inquilinato que restrinja o valor dos alugueis, como recentemente, foi adotado em Berlim – e não se pode dizer que aquela cidade seja bolivariana. Esse mecanismo perverso de segregação das periferias, de jogar os mais pobres para mais longe, foi muito atuante nas cidades brasileiras. Isso piora no geral a qualidade de vida, porque a pessoa que sai de uma comunidade no centro e precisa se instalar no Ibura, por exemplo, isso não significa que ele vai morar pior. Significa que ele vai ter menos serviço público de saúde, de educação, mais custo de transporte, mais tempo de deslocamento, mais jornada indireta… Você piora no geral a qualidade de vida da classe trabalhadora, não somente na questão moradia, você piora a mobilidade. É nesse sentido que o consenso buscado pela hegemonia petista forjou barris de pólvora nas cidades.

Marco Zero – Você argumenta que a reação e resistência popular a esse processo todo necessariamente aconteça ans ruas. É a ocupação, a manifestação direta, é a mobilização. Qual o limite dessa tática?
Boulos – Eu acho que o limite dessa tática é a sua deficiência. O fato de não termos hoje ampla mobilização social no país. Mas nós temos que insistir e aprofundar esse processo de mobilização com trabalho de base, com organização das comunidades, se utilizando das redes sociais, enfim. No momento em que tenhamos condições de colocar centenas de milhares de pessoas na rua em defesa desses direitos sociais e no enfrentamento a esse poder econômico, eu acredito que nós vamos ter condições de construir um novo cenário político no país. Não acho que essa tática tenha limites. Ela tem limites no sentido de galgar espaço na institucionalidade. Mas não acho que a principal tática esquerda brasileira deva mirar nesse sistema. Fazer a disputa desse sistema político por dentro sem mobilização social me parece uma ilusão.

Marco Zero Como aliar ou articular essa pressão nas ruas por mudanças com as legislações que nós já temos? Porque temos aí novos planos diretores nas cidades, um moderno estatuto das cidades, ou seja, legslações há, mas a tradição de executá-las é seletiva…
Boulos – Eu acho que essas coisas estão articuladas. Porque fazer valer essas legislações também eu creio deve ser por meio de mobilizações. Não tô dizendo aqui que as pessoas não devam recorrer ao Ministério Público, entrar com ações judiciais, ações populares, contra esse descalabro que a especulação faz, muitas vezes passando por cima de todas as leis. Também são caminhos importantes. O caso do Estelita aqui me parece emblemático. O Judiciário (estadual) absolutamente orientado pelo Executivo e pelo poder econômico para garantir o (Projeto) Novo Recife. Isso não é só aqui (Recife). A forma como são feitas as reintegrações de posse nas ocupações, o fato de determinadas questões estarem absolutamente imunes à investigações… Aliás, poder Judiciário é um poder avesso ao controle social. Apesar do Poder Executivo ser essa coisa absurda que tem aí, pelo menos a cada quatro anos tem algum grau de controle social ou possibilidade de controle por meio das eleições. O Poder Judiciário não tem nenhum, é um poder impermeável…para a população. Para o poder econômico nem tanto.

Marco ZeroExiste a possibilidade de uma unidade da esquerda brasileira?
Boulos -Sim.

Marco Zero – Considerando que o espaço na institucionalidade não deve ser o principal foco das forças da esquerda, qual deve ser o programa de uma unidade das esquerdas no Brasil hoje?
Boulos – Eu acredito que há três pontos que podem formar uma unidade para a esquerda brasileira. O primeiro é o enfrentamento dessa política de retirada de direitos, de austeridade fiscal, de ajuste fiscal, que lamentavelmente vem sendo seguida pelo governo Dilma e também pelos governos estaduais e prefeituras. Não é defensável que se faça os trabalhadores pagarem pelo preço da crise. Não é defensável que em nome do ajuste das contas do país se ataque seguro-desemprego, pensões, aposentadorias, se corte recursos da educação, da moradia popular. Isso precisa ser combatido, independente de onde venha.

Marco Zero – Mas até que ponto criticar o governo Dilma nesses aspectos é fazer o jogo da direita?
Boulos – Eu acho que defender essas medidas é que é fazer o jogo da direita. Acho que é inaceitável, não se defende o indefensável, quem quer se manter no campo dos trabalhadores não tem a menor condição de defender esse tipo de medida. Não dá para se manter no campo popular e aceitar de qualquer forma as medidas que tem sido implementadas nesse ajuste fiscal. É um fato simbólico esse ministro da Fazenda, ter sido sacado tirado diretamente do mercado financeiro. O mesmo se deve dizer em relação à política de juros altos adotada. Estima-se que a cada meio por cento da taxa Selic, você tenha no mínimo um custo a mais de R$ 10 bilhões, devido ao pagamento da dívida pública, porque parte desse custo está atrelada à Selic. E nós já aumentamos a Selic seis vezes depois das eleições. Então você tem aí pelo menos mais R$ 60 bilhões de incremento da dívida interna devido ao aumento da Selic. Imagine o custo do ajuste de cortes na educação, moradia, habitação. A mesma coisa em relação ao ajuste fiscal, que da forma que foi feito só favorece ao setor financeiro. Isso tudo precisa ser enfrentado, precisa ser combatido. É o primeiro ponto.

Marco Zero – Qual o segundo ponto para uma unidade das esquerdas?
Boulos – Ao mesmo tempo nós precisamos ter a percepção clara de que o enfrentamento a esse ajuste fiscal, a essa política do governo, que tomou a opção de fazer os mais pobres pagarem pela crise, não pode ser feito sem um enfrentamento concomitante aos setores mais conservadores no país. Nós não podemos ignorar que existe uma série de pessoas nas rua e no parlamento que fazem um discurso de que o PT é de esquerda, de que o PT é bolivariano, de que o PT quer implantar um regime socialista no país. Por mais alucinado que esse discurso seja, constrói um culto fortíssimo anti-petista que é anti social, anti-greve, anti lutas sociais, e ele precisa ser combatido também, porque mais na frente pode ser tarde. Temos visto um surto de racismo, homofobia, de sentimentos anti-populares, tivemos no sul e no sudeste o sentimento anti-nordestino, por conta da composição de votos nas eleições de 2014, e esse pensamento conservador foi fazendo caldo até que produziu as mobilizações no dia 15 de março.

Marco Zero – A acolhida nos nossos parlamentos é muito oportunista, concorda?
Boulos – Claro! Esse momento vem sendo apropriado pelo congresso nacional para também desengavetar e dar andamento a uma série de projetos e iniciativas anti-populares que estavam parados: redução da maioridade penal, revisão do modelo de partilha do pré-sal, contra-reforma política (e essa tabelinha vergonhosa feita entre Gilmar Mendes e Eduardo Cunha para legalizar na constituição o financiamento empresarial de campanha), o debate em torno da lei anti-terrorista (que tende a impor restrições a manifestações de rua), o PL 4330, que não está sem destaque agora, mas que foi aprovado na Câmara e está tramitando no Senado e é uma lei que desregulamenta o que está regulamentado de relação trabalhista no país. Acho que esse enfrentamento à direita tem que ser feito com a mesma decisão que nós fizemos o enfrentamento aos ajustes e tudo o mais. Ah, isso é culpa do PT também?

Marco Zero – E o terceiro ponto de um programa para as esquerdas?
Boulos – Temos que apresentar saídas para essa crise. E nós temos que apresentar saídas à esquerda. A alternativa que temos que fazer a esse ajuste fiscal é um outro ajuste fiscal. As contas precisam ser ajustadas? Pois bem, vamos ajustar. Mas vamos ajustar fazendo reforma tributária, fazendo a taxação de grandes fortunas, fazendo auditoria da dívida pública, revertendo política de juros altos. Aliás esquerda precisa se apropriar do tema tributário. Menos de 4% da arrecadação tributária é imposto sobre propriedade. O Imposto sobre Propriedade Territorial (ITR) é uma vergonha. Nós (refere-se ao MTST) ocupamos no ano passado o terreno da Copa do Povo, em Itaquera, e só assim descobrimos que a propriedade, localizado numa área de ampla valorização imobiliária em São Paulo, pagava R$ 58,00 por ano de imposto. Tava registrado como terreno rural. Imagine isso nos rincões do país, imagine como não é com os grandes latifúndios. E pior, esses caras são sonegadores, ficam usando sua bancada ruralista no parlamento para renegociar a dívida toda hora, para chantagear governos de plantão.

Marco Zero – O tema tributário pode contribui com uma lógica distributiva?
Boulos – Mas certamente, hoje o sistema tributário é concentrador. Mais da metade do imposto arrecadado no país é por meio do consumo. Imposto sobre o consumo penaliza proporcionalmente mais os pobres do que os ricos. Imposto sobre a renda no Brasil é baixíssimo. Jatinho, jet ski, lancha, helicóptero, não pagam impostos. Tinha que pagar um tipo de IPVA. Os fusquinha do cara paga, helicóptero não paga. Remessa de lucro para fora do país não paga imposto – é zero. Nós temos um sistema tributário absolutamente regressivo e escandaloso. Mas quando a gente fala sobre isso, a mídia hegemônica reverte o discurso com o argumento de que já se paga muito impostos para bancar essa corrupção que está aí. Ou seja, inverte o debate. Mas acontece que é possível diminuir impostos sobre consumo para baixar o preço de produtos fundamentais, é possível diminuir o imposto sobre alimentos, é preciso diminuir a tributação sobre os mais pobres, aumentando fundamentalmente a tributação sobre os mais ricos. De modo que o tema da reforma tributária é essencial para uma pauta renovada que alimente a unidade das esquerdas no Brasil.

Marco Zero – E a regulação do sistema financeiro? Quase nunca entrou como um elemento da tradicional pauta das esquerdas…
Boulos – A regulação do sistema financeiro tem que vir junto. A regulação da movimentação de capitais, que é uma coisa impressionante. Os dados da auditoria cidadã feita no ano passado indicam que foram R$ 900 bilhões para o serviço da dívida de amortizações, juros, rolagem da dívida – o Bolsa Família custou R$ 25 bilhões. Esse é o bolsa banqueiro. Isso é pago para meia duzia de grandes financistas, grandes instituições, que fazem o jogo com os títulos públicos brasileiros. Isso é uma grande torneira de gastos públicos no Estado, é o que desequilibra e só aumenta mais os juros! Nós precisamos trazer isso para a pauta. E naturalmente os temas que a esquerda já discute, reforma urbana, absolutamente fundamental, com o enfrentamento do capital imobiliário; a reforma agrária; a democratização das comunicações, que é mais que urgente; a reforma política (não a contra-reforma) mas um modelo que acabe com o financiamento empresarial de campanha. Uma reforma que também aumente os canais de participação popular. Os canais de participação popular na democracia brasileira hoje são ridículos, se limitam praticamente às eleições.

Marco Zero – Trata-se de reformas estruturais que o governo petista não fez.
Boulos – Que não se dispôs a fazer pelas razões que comentei no início dessa conversa. E que são essenciais para se apresentar uma saída àesquerda para a sociedade brasileira. A forma de lidar com a crise ou é fazer ajuste neoliberal – como se está fazendo –, ou enfrentando essas reformas. Não dá mais para seguir fazendo manejos orçamentários no ganha-ganha. A crise financeira bateu a porta e é preciso tomar uma decisão mais drástica. O papel da esquerda brasileira hoje é apresentar esse programa de reformas essenciais para que o ajuste seja feito para o outro lado e para que a gente possa mobilizar milhões de pessoas para esse enfrentamento. Por isso a conflagração.

Marco Zero – A permanência, por tantos anos, de uma política de consenso, minou as relações de força no país?
Boulos – Normalmente se raciocina isso. Esse é um tema que virou mito e pegou. Relação de força é algo que se constrói, é algo dinâmico, desde que você tenha uma política para se construir essa relação de força. Em nome da ausência da relação de força se implantou um programa conservador no Brasil nos ultimos anos. Inclusive quando esse governo tinha 80% de aprovação. 80% de aprovação e vem dizer que não tem relação de força na sociedade para colocar temas de enfrentamento. Relação de forças não vai vir do céu. Ter o governo nas mãos é um fator para incidir nas relações de força. As relações de força se alteram por exemplo, considerando o PL 4330, no começo do ano Eduardo Cunha colocou para votação, ele tava aprovado. Foi aprovado mas gerou uma alteração das relações de força em relação a esse aspecto específico e as mobilizações os fizeram recuar. Quer dizer, as mobilizações são parte da construçaõ das relações de força.

Marco Zero – Você vem sendo questionado quanto a uma eventual candidatura, visto ser uma das lideranças emergentes do campo das esquerdas no País. O que justifica uma candidatura hoje em dia?
Boulos – Eu não quero entrar no mérito de decisões que outras pessoas tomam. Mas no atual sistema político brasileiro, com financiamento empresarial de campanha, com um sistema absolutamente colonizado pelo poder econômico, ecom pouca margem para aqueles que divergem, eu tendo a crer que esse não é o melhor caminho para quem deseja fazer transformações. Nós temos que resgatar um outro espaço político. A aposta de que por meio do espaço político parlamentar institucional ganhando espaço, ganhando mandato, conquistando prefeituras até a presidência da república, sem nenhuma mobilização social mas entrando no jogo, se conseguiria fazer grandes transformações, eu acho que essa aposta deu no que deu. Eu acho que temos que construir não só uma nova estratégia, mas uma nova tática de resgatar a rua como espaço de fazer política. Eu acho muito mais valioso se mobilizar para botar milhões nas ruas do que construir condições para eleger alguns mandatos de esquerda. Não quero aqui minimizar isso. Não quero ser entendido dessa forma. Há mandatos importantíssimos, que apoiam as lutas sociais. Que ajudam a fazer o debate, que conseguem visibilidade para pautas de esquerda, que acham que precisam ser preservados e mantidos para nossa disputa politica. Mas acho que o vetor fundamental da esquerda nesse momento tem que ser resgatar a rua como espaço de fazer política. E é isso que eu me disponho a fazer é isso que o MTST tem buscado construir, a proposta de construir uma frente das reformas populares, o papel Frente de Resistência Urbana vem nessa disposição de cada vez mais fortalecer a política na rua.

Compartilhe:

Sobre o autor

Jornalista formado, com mestrado e doutorado em Sociologia. Pesquisa formas periféricas de apropriação tecnológica e suas possíveis contribuições a movimentos sociais emancipadores na periferia do capitalismo tardio. Também se interessa pelas discussões atuais em torno do estatuto da propriedade intelectual, segurança em rede, privacidade e cidadania.