Crédito: Divulgação/Diaconia

Nesta sexta-feira, 25 de março, às 18h, o Coletivo Vozes Marias lança o documentário “Vozes no caminho: o silêncio não é mais possível”. A exibição acontecerá de forma híbrida: presencialmente, na Primeira Igreja Batista, no bairro de Bultrins, em Olinda, e online, com transmissão ao vivo no perfil do coletivo @vozesmarias .

O documentário, que tem o objetivo de denunciar a violência institucional religiosa sofrida por mulheres, conta a história de duas vítimas de violência que decidem romper o silêncio e expõem as violências vividas dentro de um gabinete pastoral. O pastor acusado pelas mulheres foi indiciado por cometer diversos crimes, entre eles, estupro, violação sexual, injúria racial e difamação, e praticou os delitos contra dezenas de vítimas por mais de 25 anos, em uma igreja localizada na Zona Norte do Recife.

A produção audiovisual mostra a experiência dolorosa das vítimas, que foram acolhidas pelo Coletivo Vozes Maria e se fortaleceram na luta pelo combate à violência de mulheres religiosas. “As violências, muitas vezes, acontecem no campo institucional religioso e a igreja, ao invés de acolher, revitimiza as mulheres. Quando elas entram nos serviços da rede de atendimento à mulher, elas também são revitimizadas”, afirmou Bárbara Aguiar, articuladora do coletivo.

Seja mais que um leitor da Marco Zero…

A Marco Zero acredita que compartilhar informações de qualidade tem o poder de transformar a vida das pessoas. Por isso, produzimos um conteúdo jornalístico de interesse público e comprometido com a defesa dos direitos humanos. Tudo feito de forma independente.

E para manter a nossa independência editorial, não recebemos dinheiro de governos, empresas públicas ou privadas. Por isso, dependemos de você, leitor e leitora, para continuar o nosso trabalho e torná-lo sustentável.

Ao contribuir com a Marco Zero, além de nos ajudar a produzir mais reportagens de qualidade, você estará possibilitando que outras pessoas tenham acesso gratuito ao nosso conteúdo.

Em uma época de tanta desinformação e ataques aos direitos humanos, nunca foi tão importante apoiar o jornalismo independente.

É hora de assinar a Marco Zero