Apoie o jornalismo independente de Pernambuco

Ajude a MZ com um PIX de qualquer valor para a MZ: chave CNPJ 28.660.021/0001-52

O duro recomeço de quem perdeu tudo nas chuvas de julho

Marco Zero Conteúdo / 22/11/2019

por Nattasha Pollyane

Desde julho deste ano, a vista panorâmica nos morros do bairro de
Caixa D’água, em Olinda, está diferente. Entre as pequenas casas
multicoloridas há vazios cobertos de resto de entulhos. Nas redondezas
desses escombros, entre ruelas e escadarias, sobrevivem as famílias que,
atingidas pela chuva de 24 de julho, viram suas casas serem arrastadas
pelos deslizamentos de barreiras ou, dias depois, serem demolidas pelas
equipes da Defesa Civil.

Quatro meses após a tragédia, a Marco Zero foi procurar essas famílias para saber como estão vivendo depois de tantas perdas.

O acesso à parte mais alta do morro de Caixa D’água é difícil. A
avenida Leopoldino Canudo é a principal via de acesso. Às suas margens,
as barreiras estão cobertas com pedaços de lonas pretas, que, segundo os
moradores, foram colocadas no período da chuva.

Nesse trecho do bairro vivia dona Nadir. Desempregada, ela conta como
perdeu sua casa própria, na rua Astral: “Eu morava em cima da barreira,
mas com as chuvas, a barreira caiu e atingiu o muro da casa de baixo.
No outro dia, um engenheiro da prefeitura de Olinda veio e mandou
demolir a minha casa. Não me deram auxílio, nem respostas, até agora ”.
Quatro meses após perder sua casa, o seu sustento se resume aos bicos
que consegue. Agora, morando perto do seu antigo terreno, ela paga R$
300 de aluguel, valor que é dividido com sua filha, que mora com ela.

Nadir ressalta que sempre estava em contato com a prefeitura, em
especial com o próprio secretário de Desenvolvimento Social, Cidadania e
Direitos Humanos de Olinda, Odin Neves, que sempre prometia ajuda, além
de manter contato também com a assistente social da prefeitura, que ela
conhece apenas pelo primeiro nome, Cibele. No dia 17 de outubro,
entretanto, os contatos foram interrompidos depois de uma mensagem
enviada via Whatsapp para o secretário, que chegou a ser visualizada,
mas jamais foi respondida.

Valdinete Dornelas, mais conhecida como Tia Netinha, também perdeu a casa. No seu terreno ainda restam entulhos que não foram retirados pela Defesa Civil. “Eles chegaram aqui no dia 13 de agosto com uma ordem judicial de demolição. E já foram destruindo tudo. Sorte que minha mãe já tinha tirado todos os móveis de dentro, mas ela enlouqueceu quando viu tudo que tinha conseguido ao longo da vida no chão”, recorda, indignada, Michele Dornelas, filha de Valdinete.

Dona Valdinete, a Tia Netinha, perdeu tudo o que tinha

Michele ainda mora no mesmo terreno de onde sua mãe teve de sair,
porém um pouco mais afastada da barreira. “Eu tenho medo porque ainda
existe sujeira e os ratos podem fazer ninho no meio dos entulhos. Eles
(a prefeitura) não limparam e nós não temos dinheiro pra mandar ninguém
limpar.”

Tia Netinha é uma das poucas pessoas que recebem o auxílio-moradia da prefeitura, no valor de R$ 130 por mês. “O laudo para a liberação desse auxílio, que é uma forma de ajuda para as pessoas que perderam as casas, é dado pela Defesa Civil, que constata o risco da moradia. Caso o risco seja avaliado nos níveis mais graves (3 ou 4), a entrada da pessoa no cadastro que dá direito ao auxílio é efetuada, com os documentos do responsável. A definição do valor é feita pelo Governo Federal junto ao município”, explica o secretário de Desenvolvimento Social, Cidadania e Direitos Humanos de Olinda, Odin Neves.

As marcas da tragédia em Caixa D'água

Sem casa e sem resposta

Ainda em Olinda, no bairro Alto São Nascente, Lucio Cláudio perdeu
tudo nas chuvas de 24 de julho, que ele garante ter sido um dos piores
dias em sua vida. “Nós estávamos dormindo, quando a parede do vizinho
caiu no nosso quarto, acordamos assustados e saímos correndo, fomos para
uma casa de familiares perto daqui. Graças a deus, ou melhor, ao nosso
guarda-roupa, a parede não caiu em cima da gente.”

Durante a entrevista, Lucio se dispôs a ligar para Defesa Civil, que,
segundo ele, não tinha resolvido nada sobre o auxílio-moradia. Após
esperar até o telefone ser atendido, ele pediu para falar com a
assistente social Cibele. Cinco minutos depois, informaram que ela não
estava de plantão, então Lucio explicou o porquê da sua ligação: “Eu
perdi a minha casa nas chuvas, tento falar com vocês quase toda semana e
não tenho respostas. E aí? Quando iremos ter respostas?”, indagou,
impaciente e irritado com a falta de suporte e respostas da Defesa Civil
olindense.

“Estou vivendo há quatro meses na casa do meu enteado, porque ele não
está por aqui. Mas quando ele voltar para Olinda, vai querer morar na
casa dele. Graças a deus tenho um trabalho e minha mulher está fazendo
uns bicos. Se não fosse isso, nem sei como iríamos viver, mas isso não
dá o direito deles nos deixar ao léu, sem respostas. Porque toda vez que
ligo é a mesma coisa: falam que, quando tiverem um resposta, irão
retornar nossas ligações, mas quando vai ser isso?” Lúcio dá por
encerrada a entrevista com um olhar cansado.

O secretário Odin Neves explicou que “a prefeitura está viabilizando,
junto à Caixa Econômica Federal, um projeto do programa Minha Casa
Minha Vida para as pessoas atingidas pelas chuvas no município. O
projeto irá cobrir aproximadamente 70% dos custos de cada imóvel. Esses
apartamentos serão construídos e entregues no bairro de Aguazinha. E os
moradores sem casa estão concorrendo a 432 residências”. De acordo com
Neves, a previsão é que a obra saia em 2020. Ele detalhou que os outros
30% do valor de cada imóvel serão pagos pelos moradores.

AUTOR
Foto Marco Zero Conteúdo
Marco Zero Conteúdo

É um coletivo de jornalismo investigativo que aposta em matérias aprofundadas, independentes e de interesse público.