Lóssio tem razão: Suape não atrai produtores de frutas do Sertão de Pernambuco

0

LóssioVerdadeiro3

 

 

Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior, a maior parte das exportações de mangas e uvas produzidas em Petrolina é feita através dos portos de Salvador e de Pecém, no Ceará

Por Raíssa Ebrahim

“As mangas e uvas de Petrolina estão sendo exportadas pelo porto da Bahia” – sabatina Fora da Curva, na Rádio Universitária 99.9 FM, em 12 de setembro

Ao falar sobre o Porto de Suape, no Litoral de Pernambuco, o candidato da Rede ao governo do estado, Júlio Lóssio, destacou corretamente que mangas e uvas produzidas em Petrolina – maior cidade do polo de fruticultura irrigada – são exportadas através do Porto de Salvador. Além dele, o Porto de Pecém, no Ceará, também se destaca como ponto de saída portuária de um grande volume dessas frutas.

Em 2017, dado mais atualizado, 23,76% das mangas de Pernambuco e 62,66% das uvas pernambucanas saíram do Brasil através do Porto de Salvador. No Porto de Pecém, esse percentual foi de 21% (mangas) e 11,33% (uvas). Já o Porto de Suape foi responsável, no mesmo período, por apenas 0,03% e 2,97%, respectivamente.

Nossa checagem baseou-se nos números da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic). A assessoria de imprensa de Lóssio não respondeu ao pedido de informação sobre a fonte da informação dita pelo candidato na rádio.

Portanto, o Truco nos Estados – projeto de fact-checking da Agência Pública, que em Pernambuco tem parceria com a Marco Zero Conteúdo – atribuiu o selo “Verdadeiro” à frase do ex-prefeito de Petrolina.

Confira as exportações através dos portos:

Nos últimos anos, Suape deixou de dar atenção às frutas e os exportadores começaram e encontrar dificuldades, sobretudo pela falta de linhas de embarcações para os destinos finais. Os principais países compradores das mangas do polo de fruticultura irrigada do estado são Holanda, Estados Unidos e Espanha. De uvas, Holanda, Reino Unido e Alemanha. Como são produtos perecíveis, os produtores passaram a buscar outros portos.
Confira o histórico da participação de Suape de 2010 a 2017:

Compartilhe:

Sobre o autor

Deixe um comentário