O despertar da sororidade

0

2774980_CreateAgifA união feminina, no sentido de irmandade, cuidado e respeito mútuo mostra exemplos de atitudes capazes de melhorar e facilitar a vida de muitas mulheres que precisam sobreviver em uma sociedade machista e hostil

por Lara Tôrres*

Sororidade é uma palavra desconhecida por muitas pessoas, porém bastante familiar às integrantes dos movimentos feministas. O termo significa fraternidade, irmandade, união e cuidado mútuo entre mulheres, algo primordial para que haja um sentimento de grupo e reconhecimento das opressões sofridas em conjunto pelas mulheres que vivem em sociedades machistas.

O feminismo, hoje, também abraça uma ideia definida por outra palavra pouco comum: a interseccionalidade, pré-requisito para que a irmandade feminina possa ser mais atenta e cuidadosa, observando as necessidades especiais de cada grupo de mulheres e as diferentes formas de opressão que elas sofrem. A ideia de interseccionalidade implica que não exista primazia de uma opressão sobre as outras e que não pensemos nas mulheres como uma categoria universal, fazendo-se necessário o reconhecimento das particularidades de cada grupo de mulheres e de suas opressões. Uma mulher negra, por exemplo, que precisa lidar ao mesmo tempo com o machismo e com o racismo, é diferente de uma branca. Quando praticada prezando pela ideia de interseccionalidade, a sororidade se concretiza plenamente.

Nesta reportagem, serão apresentados alguns exemplos do poder transformador que a sororidade pode exercer na vida das mulheres mundo afora. Você conhecerá grupos de apoio mútuo, trabalhos voluntários e ações feministas que proporcionar uma vida melhor às mulheres em meio às dificuldades impostas pelo patriarcalismo e machismo social presente e forte no Brasil.

Costura e Boa Vontade

Fernanda La Ruina vive no Rio de Janeiro e ganha a vida como professora de português para estrangeiros. Além disso, criou, no final de 2015, um projeto chamado “Costura e Boa Vontade”. Ela, que aprendeu a costurar com sua mãe, confecciona vestidos para as meninas atendidas pelo orfanato feminino Rita de Cássia usando materiais doados. Tudo começou com uma postagem no Facebook, onde Fernanda pedia doações para iniciar o seu projeto: “Comecei com um post na minha página pessoal pedindo saias usadas para transformar em vestidinhos. Daí, recebi 200 peças doadas pela mãe de uma amiga feminista e fui correndo comprar tecidos novos e aviamentos.”

Fernanda trabalha sozinha na confecção dos vestidos, mas aceita auxílio de quem leva jeito para costura e aceite “dar uma mão” voluntariamente. Por enquanto, o orfanato Rita de Cássia é o único atendido pelo Costura e Boa Vontade. Há duas razões para isso: primeiro, o número de vestidos que podem ser feitos atualmente não permite a inclusão de outra instituição a ser beneficiada, depois a proposta é atender exclusivamente meninas, afinal Fernanda preza pela sororidade em sua iniciativa.

No momento Fernanda está impossibilitada de costurar devido a complicações decorrentes de uma queda, mas afirma que gostaria muito de conseguir ensinar mais pessoas a costurar e assim poder ajudar mais meninas:  “Faço tudo na minha casa. Um apartamento bem pequenininho com espaço dedicado para essa máquina de costura velha (tem uns 30 anos, sério!). Ter um espaço, ensinar outras meninas e poder levar vestidos a orfanatos é um sonho meu. Como agora sou sozinha para isso, acabo me limitando. Agora mesmo sequer posso andar e tive que parar de costurar. Assim que puder, volto”.

Com o Costura e Boa Vontade, Fernanda quer ajudar ao máximo essas meninas que já passaram por tantas dificuldades desde tão pequenas e que têm tantas necessidades.

A intenção é levar alento e autoconfiança às meninas, ao mesmo tempo em que oferece alento e um ombro a pequenas mulheres em formação: Eu quero interagir com elas, quero conversar e mostrar que elas podem ser o que elas quiserem ser, e podem fazer o que quiserem fazer. É como se o vestido fosse uma maneira gentil e física de quebrar o bloqueio, como se dissesse ‘estou vindo aqui para tentar ser sua amiga, para ouvir você, e você me ouvir!’ Um vestido, dentro da constituição machista, é algo muito feminino. O que eu estou tentando despertar nessas meninas é algo delicado e um carinho, para que elas se sintam mais amadas e tenham orgulho. Porque a gente vive numa sociedade vista pelas etiquetas. Mas eu quero que elas se sintam orgulhosas delas mesmas.”

Fernanda La Ruina criou, no final de 2015, um projeto chamado “Costura e Boa Vontade”. Foto: Elias Azevedo/ Divulgação)

Fernanda La Ruina criou, em 2015, o projeto “Costura e Boa Vontade”. Foto: Elias Azevedo/ Divulgação

Quem mora no Rio de Janeiro e se interessa pelo projeto pode ajudar com doações de roupas, tecidos, aviamentos e dinheiro. No caso de pessoas que moram longe, é possível enviar as doações por pessoas que estejam indo ao Rio ou com dinheiro através de depósito bancário na conta da própria Fernanda:

Caixa Econômica
Banco 104
Agência  0218-6
Conta corrente 00004225-4
Operação 001
Fernanda C V La Ruina
CPF 10068563744  

 

Universitárias criam sistema para ajudar colegas com “acidentes” menstruais

Manu Marinho é uma estudante de Design recifense de 20 anos de idade que leva a irmandade feminina muito a sério – e acredita que ela deve se converter em ação coletiva. Com uma caixa de plástico, uma folha de papel, canetas e um punhado de absorventes, ela criou um posto de doações de absorvente num dos banheiros do Centro de Artes e Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) para que ninguém mais passe por constrangimentos quando for surpreendida pela menstruação. Na plaquinha, escreveu: Pegue um, caso precise. Deixe um, se tiver sobrando.

O que ela não sabia era que, naquele momento, estava criando um movimento, plantando uma ideia de ação permanente que espalhou solidariedade e sororidade para muito além do que havia imaginado.

A ideia foi muito bem recebida e logo começou a ser estendida a outros banheiros da universidade. Até o encerramento da apuração desta reportagem, em maio de 2016, somente no campus do Recife existiam caixas de doação em, pelo menos, 16 banheiros.

sororidade2

Em alguns deles, a ideia foi além da doação de absorventes, sendo possível também encontrar outras coisas úteis e importantes para a preservação da boa saúde, como tubos de pasta de dente e preservativos femininos. “Eu só lembro de ter visto uma ideia parecida no Facebook e na hora pensei em fazer na minha universidade. Coloquei só no banheiro do térreo e logo a ideia se espalhou sozinha”, conta. “Eu estou muito feliz, não imaginei que outros centros fossem aderir, que as minas fossem colocar outras coisas além de absorventes”.

A estudante de Geologia Mirella Rodrigues diz que trouxe as caixinhas aos banheiros do seu centro de estudos para criar uma corrente de cuidados entre mulheres.   “Foi só mais uma forma de lembrar o quanto essas pequenas coisas são importantes e podem ajudar alguém. O que aconteceu no nosso departamento foi semear as boas ideias. A colega que um dia passar por uma situação desagradável agradece desde já”.

Ingridhy Figueiredo, 23 anos, estuda Engenharia de Produção. Ela decidiu levar a iniciativa adiante por achar que seria muito útil para todas as mulheres. “É meio ruim pedir absorvente a alguém no meio da aula. Pior ainda se você não conhece ninguém, fica toda sem jeito; ir no banheiro e já saber que vai encontrar na caixinha é muito mais simples. Apesar de hoje eu não ser mais pega de surpresa por tomar remédio e já saber os dias certinhos, eu quis propagar a ideia pra ajudar as outras”.

Ingridhy também espera que as estudantes passem a se engajar mais em projetos de movimentos sociais que possam trazer benefícios coletivos. “Vi meninas comentando na publicação que nunca pensaram em ver isso no Centro de Engenharias, então, espero que daqui pra frente todas elas façam esforço pra aderir a qualquer movimento social que traga benefício pra gente e pra nossa universidade como um todo”.

Ainda no Recife, a ideia saiu dos limites da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e se estendeu por outras instituições de ensino superior da cidade, tanto do sistema público (Universidade Federal Rural de Pernambuco e UFPE, no campus de Vitória de Santo Antão) quanto do privado (Universidade Maurício de Nassau). Não parando por aí, também foi identificada a existência de caixinhas de coleta de absorventes para doação em banheiros femininos de cursos preparatórios para vestibular da cidade.

Fora da capital pernambucana, também existem caixinhas postas na Escola de Referência em Ensino Médio da cidade de Bezerros, no Agreste pernambucano; Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), no mesmo estado; Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e a Universidade de Campinas (UNICAMP) também têm caixinhas de doação em alguns dos seus banheiros.

Mete a Colher 

sororidade4

O Mete a Colher nasceu em uma Startup Weekend Women (grupo de mulheres à procura de um modelo de negócios inovador) e está se organizando para, em breve, lançar uma rede de apoio a mulheres vítimas de violência. O aplicativo, de uso exclusivamente feminino, vai focar em ajudar mulheres que estejam precisando de apoio psicológico, apoio jurídico, abrigo ou inserções no mercado de trabalho. Só mulheres vão poder baixar o aplicativo. A ajuda poderá vir de pessoas físicas ou de empresas.

Estão previstas três formas de prestar apoio às mulheres que se encontrem em situação de violência de gênero. Será possível fornecer apoio emocional por meio de conversas que busquem confortar e dar forças à mulher para conseguir quebrar o ciclo de agressões, fornecer apoio em processos jurídicos e auxiliar as vítimas através de inserções no mercado de trabalho, visando quebrar a dependência financeira entre vítima e agressor.

O aplicativo Mete a Colher ainda não está pronto mas, segundo Renata Albertim, responsável pela área de comunicação do projeto, o que já existe é “uma plataforma tipo teste para a gente ajustar as falhas e perceber se de fato o aplicativo estava funcionando de forma intuitiva”.

O projeto está inscrito em editais de financiamento para que seja possível concretizar o investimento necessário para que o aplicativo fique disponível para download grátis. Caso não seja aprovado nos editais, será lançada uma plataforma de arrecadação de fundos por meio de campanha de financiamento coletivo.

No que diz respeito à segurança do aplicativo, existem algumas ferramentas para possibilitar a maiores garantias possíveis de estarem em um ambiente seguro e exclusivamente feminino, destinado à sororidade.

O controle das pessoas será feito através de um cadastro por meio do Facebook, ferramenta essa que permitirá filtrar quem usa o aplicativo a partir do gênero que declara nas redes sociais; existirá ainda uma senha de acesso para cada usuária, de modo a garantir que pessoas estranhas e possíveis agressores se infiltrem. Ainda com tudo isso, caso alguma usuária suspeite que o aplicativo está sendo usado por um homem, ela poderá informar o caso à moderação do Mete a Colher para que sejam tomadas providências quanto á conta que estiver sob suspeita.

lara*Lara Tôrres veio de Pesqueira-PE, tem 20 anos, estuda jornalismo na UFPE, é vegetariana, feminista, leonina, amante de cabelos naturalmente enrolados e fã da Disney. Acredita no bom jornalismo e no dever social que ele tem; defende a regulamentação da mídia, liberdade de expressão, jornalismo independente e comunicação pública.

Compartilhe:

Sobre o autor

Deixe um comentário