Jonas Correia, de 29 anos, foi mais uma das pessoas atingidas por uma bala de borracha disparada por policiais do Batalhão de Choque no ato deste sábado, 29 de maio
Crédito: Frame de vídeo

Jonas Correia, de 29 anos, foi mais uma das pessoas atingidas por uma bala de borracha disparada por policiais do Batalhão de Choque no ato deste sábado, 29 de maio. O trabalhador estava voltando para casa após passar a manhã no Mercado São José, no Centro do Recife, onde prestava serviço autônomo, quando foi atingido pelo disparo a 200 metros do palácio do Campo das Princesas, sede do governo pernambucano. 

Jonas tentava iniciar a travessia da ponte Princesa Isabel de bicicleta, quando se viu em meio ao cerco policial. As imagens mostram que ele acata as ordens dos soldados e se distancia deles, mas nem isso adiantou: Jonas foi atingido por uma bala de borracha no olho direito.

O arquiteto e ativista ambiental Alexandre Sávio Ramos testemunhou o momento em que ele foi ferido: “Vi quando foi atingido por bala de borracha no olho. Briguei com a polícia para socorrê-lo, pois na esquina da ponte tinha uns 6 carros da polícia parados. Os Pms disseram que eu que socorresse. O homem estava desesperado e saiu andando, perambulando sem rumo junto com um amigo. E ele chegou a avisar ao policial que lhe negou socorro que não estava no ato”.

De acordo com a sua esposa, Daniela Barreto, o trabalhador está com 99% da visão comprometida e está internado no Hospital da Restauração (HR) aguardando a cirurgia. “Estão tratando o olho com pomadas e lavagem, porque ainda está muito inchado. Só depois é que vão transferir para o Altino Ventura para fazer a cirurgia”, relatou Daniela. A situação é semelhante a de Daniel Campelo baleado pouco antes durante o ataque da PM na ponte Duarte Coelho.

Jonas Correia ao lado da esposa, Daniela Barreto, e dos filhos, Jonnatha e Geisyla
Jonas ao lado da esposa, Daniela Barreto, e dos filhos, Jonnatha e Geisyla. Crédito: Arquivo pessoal

Pai de duas crianças, Jonnatha, de 9 anos e Geisyla,  de 1 ano e 6 meses, Jonas corre o risco de perder a visão de um dos olhos, assim como já aconteceu com Daniel. Tanto Jonas quanto Daniel não participavam das manifestações.  

Com poucos recursos financeiros, Daniela Barreto pede doações para ajudar nos custos do tratamento médico do marido. “A gente não sabe nem quando ele vai ser operado. Eu quero juntar dinheiro para comprar os medicamentos e até tentar uma cirurgia particular para ele”, afirmou.

Governo do Estado promete assistência às vítimas

Na manhã deste domingo, 30 de maio, o governador Paulo Câmara determinou que a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH) preste assistência médica às vítimas e inicie o processo de indenização. “Assim como estamos acompanhando a investigação que está sendo realizada pela Corregedoria, também vamos seguir de perto a assistência às pessoas que resultaram feridas”, afirmou o governador.

Para doar qualquer quantia para Jonas Correia de França, o PIX é 09929521402.

Seja mais que um leitor da Marco Zero

A Marco Zero acredita que compartilhar informações de qualidade tem o poder de transformar a vida das pessoas. Por isso, produzimos um conteúdo jornalístico de interesse público e comprometido com a defesa dos direitos humanos. Tudo feito de forma independente.

E para manter a nossa independência editorial, não recebemos dinheiro de governos, empresas públicas ou privadas. Por isso, dependemos de você, leitor e leitora, para continuar o nosso trabalho e torná-lo sustentável.

Ao contribuir com a Marco Zero, além de nos ajudar a produzir mais reportagens de qualidade, você estará possibilitando que outras pessoas tenham acesso gratuito ao nosso conteúdo.

Em uma época de tanta desinformação e ataques aos direitos humanos, nunca foi tão importante apoiar o jornalismo independente.

É hora de assinar a Marco Zero

Clique aqui para doar