Vacinação contra a poliomielite na policlínica Lessa de Andrade, no bairro da Madalena, cidade do Recife. Crédito: Arnaldo Sete/MZ Conteúdo.

Por Verônica Almeida

Uma campanha de comunicação prolongada para conscientizar sobre a importância da vacina contra a paralisia infantil foi sugerida desde 17 de outubro ao Ministério da Saúde pelas Sociedades Brasileiras de Imunizações (SBIm) e de Pediatria (SBP). Em carta conjunta, as entidades médicas justificam o pedido “frente à grande dificuldade de alcançarmos a meta mínima de 95% da população-alvo da campanha de vacinação em curso no Brasil e tendo em conta que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou campanha de conscientização sobre vacina contra a poliomielite, vetando apenas o pronunciamento nacional do Excelentíssimo Ministro da Saúde”.

De acordo com o pedido, a campanha deveria focar em quatro pontos, considerados fundamentais pelas duas sociedades. O primeiro deles diz respeito aos “riscos reais que representa a poliomielite”, o segundo enfatiza a necessidade de alcançar “a cobertura vacinal de ao menos 95% da população-alvo para evitarmos que a doença retorne ao Brasil”, o terceiro defende “a segurança das vacinas VIP (injetável) e VOP (oral)”, enquanto o quatro destaca a “importância de seguir o esquema vacinal preconizado pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI)”.

O presidente da SBIm, Juarez Cunha, diz que é preciso recuperar “a efetividade do PNI, para que o programa continue sendo de sucesso”. Segundo ele, o trabalho conjunto de municípios, Estados e do Governo Federal tem destacada importância nesse cenário.

Agenda pelos direitos da infância

A efetividade do PNI é uma questão defendida pela Sociedade Brasileira de Imunizações num grupo maior de entidades da chamada Agenda 227, que levou recentemente a candidatos a presidente da República propostas para a saúde e outros temas relacionados ao desenvolvimento e proteção da infância e da adolescência. Movimento apartidário nacional, da sociedade civil, lançado em abril deste ano, a Agenda 227 formulou as sugestões principalmente em razão dos impactos da crise deixada pela pandemia de Covid-19 e dos retrocessos em políticas públicas dos últimos anos. Faz alusão ao artigo 227 da Constituição Federal de 1988: “É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”.

No item saúde da Agenda 227, dentre as propostas estão “reconquistar as metas de cobertura vacinal, recuperando a efetividade do Programa Nacional de Imunizações” e “fortalecer a Atenção Primária em Saúde, promovendo os atendimentos com foco nas crianças e nos adolescentes na Atenção Básica, por meio da expansão da Estratégia de Saúde da Família (ESF)”.

Informação contra fake news

A SBIm lançou a campanha #VacinarParaNãoVoltar (VPNV), sobre a vacinação contra a pólio. A entidade também integra o projeto Pela Reconquista das Altas Coberturas Vacinais (PRCV)  numa parceria com o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fundação Oswaldo Cruz (Bio-Manguinhos/Fiocruz) e o PNI, que tem apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e de outras entidades. O objetivo é recuperar as altas coberturas de vacinação e mobilizar a sociedade numa rede colaborativa e solidária. Dissemina informações seguras sobre doenças e vacinas, desfazendo notícias falsas e esclarecendo acerca dos imunizantes. O “Tira-Dúvidas” da iniciativa, em formato de vídeos, fala da importância de se vacinar contra doenças que não são transmitidas no momento no Brasil, mas que podem voltar, como a poliomielite, e da segurança das vacinas distribuídas no País pelo SUS.

Este conteúdo integra a série Eleições 2022: Escolha pelas Mulheres e pelas Crianças. Uma ação do Nós, Mulheres da Periferia, Alma Preta Jornalismo, Amazônia Real e Marco Zero Conteúdo, apoiada pela Fundação Maria Cecília Souto Vidigal

Uma questão importante!

Colocar em prática um projeto jornalístico ousado como esse da cobertura das Eleições 2022 é caro. Precisamos do apoio das nossas leitoras e leitores para realizar tudo que planejamos com um mínimo de tranquilidade. Doe para a Marco Zero. É muito fácil. Você pode acessar nossa página de doação ou, se preferir, usar nosso PIX (CNPJ: 28.660.021/0001-52).

Nessa eleição, apoie o jornalismo que está do seu lado