“Bolsonaro Gourmet”: Na UFPE, Amoêdo defende cortes nas universidades e critica protestos

0

Quinze minutos antes da hora marcada para a palestra de João Amoêdo, candidato do partido Novo derrotado à Presidência da República com 2,5% dos votos, a fila era grande no auditório do Centro de Tecnologia e Geociências (CTG) da UFPE. No sol quente do começo da tarde, o que chamava atenção era a predominância de estudantes do sexo masculino – chutaria em 99%. Na fila, as conversas iam de como escapar da convocação militar e do porquê de não terem ido aos protestos pela educação (“se fosse somente contra os cortes…”) até uma teoria da suposta superioridade do carteado em relação às ciências exatas. Vez ou outra, alguém furava a fila. Ninguém reclamava.

Lá dentro, o ar-condicionado era fraco e o auditório lotado ainda ganhou cadeiras de plástico para acomodar mais estudantes. O evento foi promovido pelo Clube Frei Caneca, uma agremiação de cerca de 60 alunos que considera liberdade sinônimo de liberalismo. Fizeram uma longa apresentação sobre o clube, entremeada de muitas críticas ao “viés ideológico” das universidades em geral e um quê de recalque.

Olhando para a plateia do palco, uma das participantes ainda soltou que “é difícil um evento liberal juntar tantas mulheres como hoje”. Olhei com cara de choque para o lado, mas não fui correspondida. Todos pareciam concordar.

Por incrível que pareça, o clube não se diz de direita. Ao invés dessa denominação, o porta-voz do Clube recomenda a instalação de um aplicativo do Diagrama de Nolan para que “cada um se conheça melhor”.

Fila para ouvir Amôedo. Foto: MCS/MZ

Fila para ouvir Amoêdo. Foto: MCS/MZ

Antes de Amoêdo chegar, houve palestra de um tal de Edísio Pereira Neto apresentando sua empresa de criptomoeda. O que parecia meio deslocado, ganhou ares de trolagem quando ele jogou a seguinte pergunta para a plateia: “Tem algum virgem aqui?”. Espanto, seguido de risadinhas. Ao lado, um grito tímido: “Ninguém”. Edísio, enfim, retoma a fala para discorrer sobre como os impostos são ruins, como os políticos são maus, como ele soube inovar, etc, etc, etc. (ah, o ‘virgem’ era sobre o uso de criptomoeda).

Quando finalmente João Amoêdo subiu ao palco – do jeito de sempre: camisa branca, calça social, cabelo bem cortado – foram muitos os aplausos e assobios. Novamente o representante do Frei Caneca, que não se apresentou, fez uma rápida introdução: voltou a falar que as universidades são movidas por um pensamento único, mas desta vez tentou ser mais enfático, quase colérico. Não funcionou muito.

João Amoêdo começou em um tom bem mais conciliatório que o do estudante. O tema era “As reformas que o Brasil precisa”, mas durante a apresentação ele basicamente forneceu dados sobre previdência e dívida pública – muitas vezes com slides que não citavam a fonte das informações ou a fonte estava ilegível. Outras vezes, a fonte era o Banco Mundial ou o Todos pela Educação, organização criada por empresários (entre eles, Viviane Sena e Jorge Gerdau).

Entre um e outro dado, Amoêdo despeja chavões sobre empreendedorismo para a plateia e comprova todos os lugares-comuns sobre ele. É quase uma fábrica de memes para página de humor “Empreendedor nem é gente”. Para ele, o principal problema do Brasil parece ser a autoestima. Afirma chavões do tipo “Não há atalhos” e “Não há almoço grátis”. Sim, Amoêdo não surpreende. Mas a plateia vibra.

Diz que o Brasil tem que copiar o que deu certo em outros lugares – ele genuinamente parece desconsiderar as inúmeras idiossincrasias deste imenso país. Cheio de preconceitos, cita a Índia – “nunca fui, mas parece ser um tumulto lá” – como exemplo de certificação digital. “Se um país daquele conseguiu, o Brasil também consegue”.

O último slide é um resumo do que aqueles homens que lotaram o auditório querem tanto acreditar: “Você é o salvador que a pátria precisa”.

Ir para às ruas só se for a favor da Reforma da Previdência

Se na apresentação Amoêdo parece um coach sem criatividade, é na seção de perguntas e respostas que ele mostra porque ganhou o apelido de “Bolsonaro Gourmet”. Ele pode ter uma presença mais afável, certamente fala de modo menos ríspido e seu português é claro, mas as diferenças acabam aí. Em certo ponto, ele até reconheceu: “O problema desse governo é a forma, não o conteúdo”.

E vamos ao conteúdo de Amoêdo. Ele defendeu os cortes na Educação e ainda citou a conta de 3,5% do ministro da Educação Abraham Weintraub – que desconsidera que quase 90% das despesas das universidades são com pagamento de pessoal e, na verdade, os cortes chegam a 30% da manutenção das instituições. Disse que era melhor ter tirado o R$ 1,7 bilhão do fundo partidário, mas que não via grandes problemas em tirá-los do ensino federal.

Amoêdo na UFPE. Foto: Clube Frei Caneca

Amoêdo na UFPE. Foto: Clube Frei Caneca

Defendeu que as universidades públicas cobrem mensalidades. Quem pode pagar, paga. Quem não pode, não teria bolsa: seria um financiamento. “Mas não como o Fies, que colocou uma quantidade enorme de financiamentos. Isso só beneficiou os grandes grupos educacionais”, criticou.

Parece que para Amoêdo o curso superior deve ser algo para poucos. Ele falou que os investimentos públicos devem ir para a educação básica e fundamental – “Para não criar um gap cognitivo que não se pode corrigir depois”.

A fala mais “bolsonarista” – em termos de fuga da realidade e anti-intelectualidade – foi quando afirmou que quando se investe nas universidades o principal beneficiado é o próprio indivíduo. “Quem se aproveita da educação superior é o cidadão. A pessoa se forma em engenharia, medicina e o ganho é dela. Por que obrigar a sociedade a pagar isso para ele?”, afirmou, para uma plateia que não deu um “ai”. Amoêdo simplesmente deslegitimou os benefícios do trabalho intelectual para o benefício da sociedade: um médico formado a mais, não traz benefício além do próprio ganho. Tudo mantendo uma entonação de voz que Bolsonaro jamais conseguiria.

E, coerentemente, ele desacreditou os atos pela educação que ocorreram na quarta (15) pelo País, achando tudo um exagero. “A população deveria estar nas ruas era para pedir que a Reforma da Previdência fosse aprovada logo”, disse, sendo aplaudido pelos estudantes presentes.

Sobre a previdência, Amoêdo quer apenas celeridade. Não propôs nenhuma mudança na reforma sugerida por Bolsonaro. Mas no mundo alternativo que ele vende, o ideal mesmo seria assim: “Viver em um ambiente de muita liberdade econômica, empreender, ganhar dinheiro e depois se aposentar com essa riqueza”. Não vale rir.

Neste mundo paralelo onde o capitalismo é essa perfeição toda, Amoêdo também traz um aviso para quem não deseja ser empreendedor: “se você trabalhar com muito afinco, como se fosse o dono, você vai ter riquezas da mesma forma”. Anotou?

Compartilhe:

Sobre o autor

Deixe um comentário