Crédito: Lucas Landau/350.org

Nesta quarta, 13 de abril, a partir das 8h, pescadores artesanais e quilombolas de municípios do estado de Sergipe e da região metropolitana do Rio de Janeiro se reunirão em frente ao Windsor Barra Hotel, na Barra da Tijuca, para protestar e exigir o fim da extração de petróleo e gás em áreas que afetam populações tradicionais. O protesto conta com apoio e articulação da 350.org (movimento internacional que trabalha principalmente para acabar com a utilização de combustíveis fósseis no mundo).

Uma semana depois da divulgação de mais um relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) com dados alarmantes, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) realizará uma sessão pública de apresentação de ofertas do 3° Ciclo da Oferta Permanente sob o regime de concessão. Empresas petrolíferas poderão apresentar propostas para terem direito à exploração de petróleo e gás em 379 blocos de bacias sedimentares localizadas nos estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Bahia, Espírito Santo, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Dos 379 blocos, 326 (86%) estão localizados em estados do Nordeste.

A ExxonMobil, a multinacional de petróleo e gás norte-americana, que já iniciou a perfuração de 11 poços exploratórios da Bacia Sergipe-Alagoas, será um dos alvos dos participantes da manifestação, que pedem a interrupção das atividades da empresa na foz do Rio São Francisco e denunciam a expansão do risco socioambiental da extração de combustíveis fósseis em todo o Nordeste do país. A maior parte dos manifestantes fazem parte das comunidades prejudicadas por atividades empresas de petróleo e gás em suas regiões.

Seja mais que um leitor da Marco Zero…

A Marco Zero acredita que compartilhar informações de qualidade tem o poder de transformar a vida das pessoas. Por isso, produzimos um conteúdo jornalístico de interesse público e comprometido com a defesa dos direitos humanos. Tudo feito de forma independente.

E para manter a nossa independência editorial, não recebemos dinheiro de governos, empresas públicas ou privadas. Por isso, dependemos de você, leitor e leitora, para continuar o nosso trabalho e torná-lo sustentável.

Ao contribuir com a Marco Zero, além de nos ajudar a produzir mais reportagens de qualidade, você estará possibilitando que outras pessoas tenham acesso gratuito ao nosso conteúdo.

Em uma época de tanta desinformação e ataques aos direitos humanos, nunca foi tão importante apoiar o jornalismo independente.

É hora de assinar a Marco Zero