Crédito: Reprodução da transmissão do Governo do Estado de Pernambuco

Foi no dia 12 de março de 2020 que os primeiros dois casos de infecção pelo novo coronavírus foram registrados em Pernambuco. Pouco mais de dez meses depois, e mais de 10 mil mortos pelo vírus no estado, um avião comercial da Latam pousou nesta noite no Recife. No porão, 270 mil doses da Coronavac, vacina contra o novo vírus desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. Ao lado da vacina de Oxford/AstraZeneca, é um dos imunizantes aprovados no domingo pela Anvisa para uso emergencial no Brasil. E, espera-se, o início do fim da maior pandemia dos últimos cem anos.

Por enquanto, o Brasil todo dispõe apenas de seis milhões de doses da Coronavac, que foram importadas pelo Butantan ao longo dos últimos dois meses. Um carregamento de dois milhões de doses da AstraZeneca está preso na Índia, que ainda não liberou o envio para o Brasil. Somente na noite de ontem o Ministério da Saúde divulgou a planilha com a distribuição das vacinas pelos estados e o Distrito Federal.

O Ministério da Saúde elaborou as regras para as fases de vacinação. O plano inicial prevê quatro grupos prioritários, que incluem profissionais de saúde, indígenas aldeados, idosos e pessoas que fazem parte dos grupos de risco. Somente esses grupos representam quase um quarto da população brasileira, cerca de 50 milhões de pessoas. Serão necessárias 108,3 milhões de doses de vacina, já incluindo 5% de perdas previstas pelo Ministério da Saúde, um percentual considerado baixo.

Em Pernambuco, 2,9 milhões de pessoas estão incluídas nestas quatro fases prioritárias. Para vacinar apenas as pessoas do primeiro grupo prioritário, 630 mil pessoas de acordo com o Governo do Estado, Pernambuco iria precisar de 1,26 milhão de doses de vacina.

Mas para essa primeira leva de vacinas, os governos estaduais estreitaram os critérios, já que são pouquíssimas doses.

Com a doses entregues hoje irão ser vacinados 34% dos trabalhadores de saúde pernambucanos, que somam 99 mil pessoas. As demais doses irão para todos os 26,5 mil indígenas, todos os 2,5 mil idosos institucionalizados e todas as 130 pessoas com deficiência institucionalizadas. O restante das doses são de prováveis perdas e também para os agentes de saúde responsáveis pela vacinação. A imunização já é com reserva da segunda dose, que será aplicada entre duas e quatro semanas após a primeira.

O governo do estado afirma que todos os municípios deverão receber doses da Coronavac. “Neste primeiro momento, de acordo com o quantitativo que vamos receber, nossa prioridade será imunizar os trabalhadores de saúde que estão atendendo pacientes da Covid-19 nas nossas enfermarias e leitos de UTI. Havendo doses, devem ser atendidos os serviços de urgência, atenção primária e agentes comunitários de saúde, respeitando a gradação de acordo com o perfil que cada município tem de sua rede de atenção à Covid-19”, afirmou o secretário estadual de Saúde, André Longo, em material enviado pela assessoria de comunicação do órgão.

Por ora, as vacinas serão dadas nas próprias instituições de saúde, abrigos e aldeais, já que é apenas para esse público restrito. Ainda não há previsão de quando outras remessas serão entregues a Pernambuco.

Outros 40 milhões de doses da Coronavac aguardam liberação emergencial, que deve sair em até dez dias. Mas um insumo farmacêutico necessário para a produção da vacina, o IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo), ainda não foi liberado pela China para o envio ao Brasil. Tanto o Butantan quanto a Fiocruz precisam desse insumo para a produção nacional.

Do aeroporto do Recife/Guararapes, o primeiro lote de vacinas seguiu para um depósito no bairro de Casa Amarela. A vacinação terá início com a imunização dos funcionários do plantão noturno do Hospital Oswaldo Cruz. A primeira pessoa escolhida para se vacinar contra o novo coronavírus em Pernambuco foi a técnica de enfermagem do HUOC Perpétua do Socorro Barbosa dos Santos.

Moradora do Ibura, com 52 anos de idade, Perpétua trabalha há 25 anos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). “Estou emocionada. É um momento histórico pra mim e para todos”, disse Perpétua, após ser vacinada. “Estamos vitoriosos diante dessa situação”.

Vacinação no Recife

Durante toda a tarde o governador Paulo Câmara, o secretário de saúde André Longo e outros representantes do governo se reuniram online com secretários municipais e prefeitos para discutir a distribuição do lote nos municípios. As doses das vacinas devem ser levadas nesta terça-feira (19) para as 12 gerências de saúde do estado. Os municípios devem pegar suas respectivas doses lá.

Antes mesmo da reunião, a Prefeitura do Recife já divulgou, pela manhã, o esquema de vacinação da capital. Serão 67 mil doses que irão ser utilizadas em 33,5 mil pessoas do Recife. Os grupos são os mesmos: profissionais de saúde da linha de frente (32,5 mil pessoas), idosos e pessoas com deficiência que moram em instituições e residências inclusivas.

Para as remessas seguintes, a Prefeitura do Recife definiu inicialmente 65 salas de vacinação e ainda três locais com vacinação drive-thru. O agendamento será somente online, mas haverá pontos de apoio físicos para quem não tiver acesso à internet. Ainda não há data para novas remessas de vacina para Pernambuco.

Seja mais que um leitor da Marco Zero…

A Marco Zero acredita que compartilhar informações de qualidade tem o poder de transformar a vida das pessoas. Por isso, produzimos um conteúdo jornalístico de interesse público e comprometido com a defesa dos direitos humanos. Tudo feito de forma independente.

E para manter a nossa independência editorial, não recebemos dinheiro de governos, empresas públicas ou privadas. Por isso, dependemos de você, leitor e leitora, para continuar o nosso trabalho e torná-lo sustentável.

Ao contribuir com a Marco Zero, além de nos ajudar a produzir mais reportagens de qualidade, você estará possibilitando que outras pessoas tenham acesso gratuito ao nosso conteúdo.

Em uma época de tanta desinformação e ataques aos direitos humanos, nunca foi tão importante apoiar o jornalismo independente.

É hora de assinar a Marco Zero