Secretários de saúde, André Longo, e de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, em anúncio no palácio do governo (crédito: Hélia Scheppa/governo de Pernambuco)

A partir desta sexta-feira (15), está proibido por 30 dias som, mecânico ou ao vivo, em praias, bares, restaurantes, boates e estabelecimentos afins. Se houver novas aglomerações nas praias no fim de semana – o que vem acontecendo há meses com regularidade -, o governo de Pernambuco cogita fechar novamente o acesso. A Marco Zero Conteúdo conversou com quatro especialistas e todos foram unânimes: as medidas anunciadas pelo estado para conter aglomerações e combater a Covid-19 são insuficientes.

Diante da situação de Manaus – onde pacientes estão morrendo asfixiados por falta de oxigênio -, do aparecimento de variantes do vírus no Brasil (ainda não detectadas em Pernambuco) e localmente do crescimento de casos e óbitos e do recorde de pacientes internados em leitos públicos de UTI, as medidas e campanhas de comunicação deveriam estar sendo muito mais enérgicas. 

Para os chefes de estado, sem auxílio federal, com um governo em descontrole e pressões dos setores econômicos, impor novo lockdown é um desafio enorme e um preço político muito alto. Porém, como anunciou no Twitter o neurocientista e coordenador científico do Consórcio Nordeste, Miguel Nicolelis, “se nada for feito, estas cenas trágicas (de Manaus) vão se repetir em outras partes do país”. Nicolelis vem defendendo lockdown imediato no Grande Recife.

Em entrevista à reportagem esta semana, o médico infectologista Bernardino Albuquerque, pesquisador da Fiocruz Amazônia, também foi enfático: “Tudo que o Amazonas está passando agora os outros estados poderão passar amanhã”.

A Secretaria Estadual de Saúde registrou, nesta sexta (15), mais 1.702 casos da Covid-19, sendo 76 (4%) de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Seag) e 1.626 (96%) leves. Pernambuco agora totaliza 239.155 casos confirmados. Também foram confirmados mais 18 óbitos. Com isso, são 9.964 mortes ao total.

Confira os principais trechos da conversa com especialistas:

Tereza Lyra

médica, doutora em saúde pública, pesquisadora da Fiocruz Pernambuco e professora da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Pernambuco

O governo de Pernambuco está atrasado nas medidas. Casos e óbitos não param de aumentar. Todo mundo que trabalha com dados sabe que isso estava sendo vislumbrado desde novembro. Proibir som é uma medida insuficiente. Deveríamos ter medidas muito mais restritivas. As aglomerações são constantes em praias, bares, restaurantes.

Tereza Lyra (crédito: Fiocruz PE)

Esse aumento de casos que estamos vivenciando desde o fim de dezembro e nestas últimas semanas são reflexo das aglomerações irresponsáveis de Natal e Ano Novo. Isso ainda vai se refletir provavelmente nos óbitos, pois os casos tendem a se agravar a partir do 7º ao 10º dia. 

No Brasil, desde o início, a gente vem lidando com uma crise sanitária e política de contrainformação por parte de quem deveria dar os esclarecimentos à população.

Há uma sucessão de erros que não foram corrigidos até agora. Do ponto de vista de Pernambuco e do Recife, desde o começo da epidemia, não há inteligência epidemiológica coordenando os trabalhos. Se testa pouco, se sabe pouco sobre como a doença se distribui no espaço. Isso certamente ajudaria a definir estratégias mais focadas.

Também não existe uma política agressiva de comunicação para os diversos segmentos. Muita gente sem utilizar máscaras em espaços públicos, parques, paradas de ônibus. Era para haver uma sistemática constante da divulgação do porquê utilizar máscara é importante. As cidades eram para estar “coalhadas” de outdoor, outbus, spots diferenciados para diferentes populações.

Estamos vivendo esta semana uma crise de desabastecimento de água da Compesa quando uma das principais recomendações para combater a pandemia é lavar as mãos, o rosto e cuidar da higiene pessoal.

Não se pensa em locais intermediários para se isolar sintomáticos leves e moderados que não têm condições de fazer isso no domicílio. Por que ainda não se utiliza a rede hoteleira ociosa para quarentenar pacientes? Grande parte dos surtos é de contaminação familiar. Não estamos tendo uma catástrofe maior porque as comunidades têm uma capacidade de organização impressionante.

Tem que haver ampliação de leitos, mas também o que estamos colocando desde o início, que é usar a rede de saúde na sua totalidade. Nós temos o SUS, que tem salvado a população, e temos o Programa de Saúde da Família, com capilaridade territorial, mas que não vem sendo utilizado adequadamente na pandemia. As Unidades de Saúde da Família poderiam ser identificadoras de “brotos epidêmicos”, surtos e encaminhamentos quando os quadros se agravassem. Durante esse tempo, não houve nenhum movimento para mudar algo nesse sentido.

Ou Pernambuco toma medidas precocemente ou vamos chegar a uma situação como a de Manaus, que é inconcebível. As notícias lançam uma urgência tão grande no país que, se não forem tomadas medidas enérgicas e corajosas, que vão de encontro a uma série de interesses, que não são os da coletividade, vários estados brasileiro vão viver situações bastante semelhantes.

Jones Albuquerque

epidemiologista do Instituto para Redução de Riscos e Danos de Pernambuco (Irrdpe)

Depois do lockdown nos cinco municípios da Região Metropolitana do Recife, em maio, decidimos por conviver com o vírus. Com isso, mudamos completamente a forma de monitorar a doença, fomos monitorar os óbitos e casos graves. Com isso, estamos monitorando o fim da pandemia, e não o início dela. 

Dito isso, que deveria estar sendo feito agora? Como estamos em expansão da infecção e ainda não na expansão de óbitos (ainda leve), deveríamos estar diminuindo toda e qualquer aglomeração, decretando algum estado de fechamento de atividades à noite, como alguns países fizeram, a exemplo da Espanha, que hoje colhe bons frutos, restringindo qualquer atividade que não fosse essencial. 

Também precisamos combater os óbitos, a Secretaria de Saúde está abrindo leitos, isso é fato e verdade, tem que ser feito. Mas, se quisermos combater a doença, temos que combater a infecção, como a grande maioria dos países faz.

Reabrir hospitais de campanha, isso é para conter óbitos. E, se a infecção tomar a proporção que vem tomando e as consequências de óbitos que aconteceram na Europa e nos Estados Unidos, sim, teremos um cenário em que a reabertura de hospitais de campanha deverá acontecer, inevitavelmente e infelizmente.

Jones Albuquerque (crédito: reprodução TV Globo)

Era para estarmos pensando em toque de recolher, com suspensão de quaisquer atividades a partir de 20h, 21h até 6h da manhã para conter e diminuir a circulação do vírus, reduzindo ao máximo a mobilidade dos indivíduos. Observando o calendário da infecção no estado com o de eventos, com feriadões, eleições, festas fim de ano, percebemos que tudo isso incrementou a ocupação de leitos por Covid-19.

Era para estarmos pensando em novo lockdown? Sim, mas lockdown na estrita definição da palavra parece não funcionar muito bem aqui, no Brasil como um todo, por causa das aglomerações nas comunidades, vivemos aglomerados. 

Com os atuais números e incidências, temos todos os índices que tínhamos lá em maio para tomada da decisão, com todos os indicadores, as curvaturas de Ricci, o R(t), a quantidade de infectados por dia. Todos os indicadores de hoje são piores ou iguais aos que tínhamos lá na semana de 11 a 15 de maio, na qual decretamos lockdown nos municípios.

Naquela situação, o lockdown era para tentar segurar a infecção nos cinco municípios, o que parece que não funcionou porque não vetamos a BR-232 e o vírus se espalhou rapidamente para o interior. Agora o vírus está totalmente espalhado no estado. Ou transformamos em medidas em bloco no estado todo ou não temos como dar lockdown em pedaços.

Os anúncios de que ainda estamos em pandemia precisam ser mais agressivos, precisam dizer que estamos em alto risco, ainda hoje não temos placas nas paradas de ônibus, terminais de integração, feiras livres. A gente continua permitindo eventos de até 150 pessoas, isso não faz sentido nenhum na atual conjuntura da pandemia e atual conjuntura mundial.

Estamos muito próximo de nos tornar um local do qual as pessoas terão aversão de passar porque somos endêmicos de uma doença grave, infelizmente. Precisaríamos estar muito mais agressivos, tanto nas campanhas quanto nas ações, isso é um fato.

Aristóteles Cardona

médico com atuação em Petrolina e professor da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf)

As ações que estão sendo tomadas agora são muito insuficientes, especialmente quando pensamos no que foi adotado há meses, no início da pandemia. São ações muito tímidas diante do agravamento que não é só no estado, é no país inteiro. Já vimos que o comportamento da doença termina acontecendo num formato de ondas.

O que temos visto são muitas palavras, sinalizações, que são importantes, mas, concretamente, estamos vendo pouco. Quando você dá justificativa de que vai inibir som para evitar a concentração pode vir a ajudar, mas é insuficiente. No que mais aglomera e junta pessoas, não estamos vendo absolutamente nada.

É simbólico evitar qualquer aglomeração, mas não faz sentido do ponto de vista científico fechar primeiro a praia do que locais fechados. Assim como a proibição do som parece interessante, mas com a manutenção dos bares abertos, não sei como vai se fiscalizar isso e se teria efetividade uma fiscalização dessa forma.

Tudo que for feito é válido, mas temos visto medidas em outros lugares do mundo e do Brasil que poderiam estar sendo utilizadas. A primeira é com relação a restrição de horários para circulação, por exemplo, o comércio, por serem locais de grande circulação, não só pelo comércio em si, mas porque, por mais que haja fiscalização, e sabemos que não há tanta, é um local onde pessoas têm que pegar transporte público e sair para almoçar. Que não seja um fechamento total, mas talvez um rodízio de serviços, por exemplo.

Se agora não estamos chegando em valores ainda mais elevados de ocupação de leitos é porque mais leitos foram abertos. Precisamos urgentemente apresentar um plano para população do que precisa ser feito em relação a abertura de novos. O fato de ainda não termos chegado a um colapso, como em Manaus,  não deve nos deixar tranquilos. Por isso a importância de se ter um planejamento e um apontamento do que fazer.

Não tenho dúvidas de que se estivéssemos vendo, por parte de todos os níveis de governo, os cuidados, que inclusive foram vistos no início da pandemia, as medidas deveriam estar sendo muito mais restritivas. Mas sabemos também que houve uma oposição política forte ligado a setores do comércio, tudo isso gera desgaste e o pessoal agora parece que quer comprar menos esse desgaste.

Mas a hora é essa. Senão não vai adiantar pedir às pessoas individualmente para lavarem as mãos e usarem máscara. Tudo isso é fundamental, mas chega num ponto que não dá conta. Não tenho dúvidas de que o caso de Pernambuco, mas não só do estado, exige que mais medidas fossem tomadas para evitar mais prejuízos nas próximas semanas.

Nos acostumamos a normalizar isso, mas queria problematizar, a gente vem vendo na mídia tradicional medidas a serem adotadas a depender da ocupação dos leitos de UTI. Mas isso em si já é muito cruel, pois já é à custa de muito sofrimento e muitas vidas.

Bruno Ishigami

médico infectologista do Hospital Oswaldo Cruz e mestrando em saúde pública pela Fiocruz

Restringir som é uma medida importante, porque música alta favorece que pessoas cantem, bebam mais, se aglomerem. No entanto, não é uma medida suficiente. Estamos no pior momento de ocupação de UTI, com mais de 800 pacientes em leitos de UTI do SUS, e não tivemos isso em nenhum momento. Precisamos adotar medidas mais restritivas, começar a restringir eventos, restaurantes, bares e horários de funcionamento, para, em breve, a gente começar a fechar.

Tivemos agora em dezembro de forma mais significativa um aumento no número de óbitos. Estamos vendo no boletim com frequência mais de 30 óbitos por dia, fazia tempo que não tínhamos isso. Acredito, portanto, que as medidas anunciadas são tímidas diante do agravamento.

Uma grande questão, que é difícil para o estado dar conta sozinho, é o auxílio emergencial, que está acabando. Não sei se o estado tem recurso para enfrentar um novo lockdown sem auxílio federal. Tudo isso precisa entrar na conta, é uma decisão complexa. Mas, do ponto de vista técnico, da saúde, precisamos refletir sobre restrições mais severas, voltar a dar orientações para que as pessoas saiam de casa para o que for estritamente necessário, como foi em outros momentos da pandemia. 

Em relação a reabertura de hospitais de campanha, temos o anúncio de mais 80 leitos no Hospital do Idoso. Acho que cabe começar a refletir sobre necessidade de lockdown sim, a hora de refletir sobre isso é agora.

Precisamos ser mais enfáticos nas campanhas de divulgação e conscientização. Em março, abril, sinto que batíamos mais nas teclas da necessidade de distanciamento social, cuidados com higienização, necessidade do uso de máscaras. Precisamos bater nessas teclas para chegar na sociedade civil porque, se chegamos nesse grau de disseminação, em boa parte é porque não conseguimos nos comunicar com a população, tanto pela falta de articulação no país quanto pelas fake news que estamos precisando combater em meio a pandemia.

Seja mais que um leitor da Marco Zero…

A Marco Zero acredita que compartilhar informações de qualidade tem o poder de transformar a vida das pessoas. Por isso, produzimos um conteúdo jornalístico de interesse público e comprometido com a defesa dos direitos humanos. Tudo feito de forma independente.

E para manter a nossa independência editorial, não recebemos dinheiro de governos, empresas públicas ou privadas. Por isso, dependemos de você, leitor e leitora, para continuar o nosso trabalho e torná-lo sustentável.

Ao contribuir com a Marco Zero, além de nos ajudar a produzir mais reportagens de qualidade, você estará possibilitando que outras pessoas tenham acesso gratuito ao nosso conteúdo.

Em uma época de tanta desinformação e ataques aos direitos humanos, nunca foi tão importante apoiar o jornalismo independente.

É hora de assinar a Marco Zero